Ciclo do Estrategista e Vendas

Para se construir cenários, marcas, disputar mercados, posicionar produtos no ponto de vendas, ROI, etc., leva tempo.

Veja, hoje a moda é empreender, porém empreender é uma etapa, empreender está ligado a intermediar, apesar das palavras serem similares, não se trata da mesma ação. Enquanto a ação de empreender está ligada a unir compradores a de “empresariar” está em descobrir, aplicar os meios. Em uma tradução espanhola a empresa é ação árdua e difícil que se inicia valorosamente. Poderia concluir que o empreendedor é um estrategista, une produtos, serviços e o mercado potencial comprador, já o empresário é tático. O sucesso depende de uma excelente estratégia, mas principalmente de táticas para atingir o objetivo. O sucesso depende de pessoas trabalhando complementarmente juntas, bem preparadas, bem treinadas e na mesma direção.

Portanto não há como Colher sem Plantar !
É um ciclo que precisa ser cumprido, perceba: depois de semeado é necessário acompanhar (regar), planejar, observar, aguardar as estações e só depois colher, tem mais, agora é preciso posicionar, vislumbrar a marca, investir tempo, trabalho e mais uma série de ações e Vender.

E vender?
É uma ação de mão dupla, é preciso estar consciente que todos envolvidos com o mercado, com a vida, compram e vendem.
Imagine que você, sua empresa, passou por todo esse ciclo, maturou seu produto, seu serviço e na hora de vender sente um grande acanhamento em mostrar seu resultado a um comprador.

Essa situação acontece, infelizmente, por uma mentalidade, uma cultura, de que o vendedor precisa ser resiliente, muito bem treinado, perspicaz, persuasivo, estudar Dale Carnegie, Plutarco e tantas outras qualidades amplamente difundidas (e claro é sempre importante adquirir conhecimento e ferramentas) e fazer de tudo para agradar seu possível cliente.

Mas, te pergunto, não estamos todos no mesmo ciclo de negócios?
Portanto se estou vendendo algo é sinal que meu produto ou serviço entrarão no ciclo dessa empresa que no final será usado no resultado final, no fruto, que também ter que ser vendido.

Qual seria então o sentido de compradores (algumas vezes orientados) em criar barreiras, ambientes hostis, impontualidade, objeções, uma vez que eles precisam desses produtos?

O objetivo da relação comercial é que os dois saiam satisfeitos não é?
Negociar sim é a parte sadia, entender os melhores preços, prazos ou considerações para aquele negócio, o que estiver fora disso pode e muitas vezes deve ser considerado falta de educação (atrasos longos, ambiente hostil, assédio moral) e não devemos compactuar com esse estado em detrimento de “fechar um negócio” e nesse caso o “cliente não tem razão”.

Quanto mais todos tomarmos consciência que vender é parte importantíssima para todos e que é via de mão dupla, mais nos beneficiaremos e menos tempo perdemos para fazer o que mais importa: Viver Bem!

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: