Um Mundo de Curiosidades

Quando escrevia regularmente aqui no blog tinha uma coluninha chamada  “você sabia?”, nela publicava fatos interessantes e curiosidades sobre o vinho. 
Recentemente tive acesso a uma série dessas curiosidades, algumas que não imaginava, outras que me encantaram e algumas que contradiziam informações anteriores. Nessas próximas linhas trago um apanhado daquilo que encontrei ser bem curioso e que nos ajuda a abrilhantar ainda mais esse maravilhoso mundo, realmente repleto de matizes, aromas e sabores.
Quero começar com o Brasil, o país que está em moda no mundo tem uma história no vinho bem recheada e muitas coisas que veremos nos indica o momento atual de nossa produção, bem como nos mostra que algumas novidades, não são tão novas.
Aqui inicio o Você Sabia?

Sabia que o vinho no Brasil está presente desde os anos 50 do ano de 1500, foi Brás Cubas, nascido no Porto que trouxe a vinha e o vinho para o Brasil, primeiro plantando no litoral paulista (na que hoje conhecemos como Cubatão) e em face dos maus resultados subiu a serra e fixou plantações em São Paulo (com a primeira produção regular que se tem registro) e depois na região que conhecemos hoje como Jundiaí.

Nesse mesmo período os países colonizadores sentiam falta de seu vinho e como eles não conseguiam chegar em bom estado nas colônias do novo mundo resolveram plantar.
Os primeiros países a produzir e abastecer as colônias espanholas foram (olhem só) México e o Peru.
Enquanto as questões territoriais e políticas borbulhavam pelo mundo aqui no Brasil uma senhora, a rainha Dona Maria I (a louca) baixou um decreto proibindo a produção do vinho brasileiro, isso por volta de 1800, assim a produção que caminhava a passos lentos findou.
Enquanto isso a Europa, mais precisamente a França, recebia um tal de Thomas Jefferson que com a visão que lhe era peculiar passou a provar e catalogar os vinhos que bebia, criando talvez o primeiro guia de vinhos da história. Seu trabalho resultou em muitos vinhos chegando em sua terra (Estados Unidos) e dando os primeiros grandes passos para iniciar uma produção de altíssima qualidade em seu país.
Ainda na França acontecia a Revolução Francesa e um de seus democráticos resultados foi a desapropriação de latifúndios, muitos da Igreja e muitos concentrados na Borgonha. Essa redivisão fez com que terras excepcionais voltassem para a população e como ainda havia mais uma lei que não deixava concentrar riqueza as parcelas de terra foram muito dividas, assim famílias que eram donas passaram a ter diversos membros com diversos vinhedos, nascendo assim uma das maiores diversidades de vinhos em propriedades muito pequenas (caso do Romanée-Conti com apenas 1,8 hectares).
Fato fica ainda mais interessante, pois a história se dedica a essa parte da França e me perguntei o porquê só a Borgonha ganharia esse destaque. Pude concluir que Napoleão Bonaparte estava fazendo uma divisão política e estratégica, pois já sabia que aquele lugar produzia um dos melhores vinhos de seu país, sabia disso pois conhecia a história. Por volta do ano 60 AC Julio Cesar (Imperador Romano) determinou leis agrárias em uma de suas recém conquistadas terras e colocou pessoas de alto escalão para cuidar. Essa região, à época terra de Gália, era o que hoje chamamos Borgonha e os vinhos batizados de? Romanées (ou romanos)!
Voltando ao Brasil, o surto de Dona Maria demoraria cerca de 30 anos para ser corrigido. Foi com a presença da família real no Brasil e com Dom João VI que o decreto foi vetado e voltamos a produzir o vinho que era servido em todas as comemorações e eventos.
Provavelmente o Brasil recomeçaria a produzir um vinho de melhor qualidade nessa época, pois sabemos que até hoje não temos uva (em larga escala) com excepcional qualidade, nos falta um pouco de açúcar natural, e faríamos isso com a descoberta do Sr. Jean-Antoine Chaptal e sua chaptalização que consiste em adicionar açúcar ao mosto, aumentando assim o teor alcoólico dos vinhos e sua qualidade.

De lá para cá ainda temos muitas curiosidades, inclusive o momento do nascimento dos espumantes no Brasil, mas essas histórias contarei em uma nova oportunidade!

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.