Resiliência

 

O apego é algo tão mesquinho
tão vil
tão necessário, desnecessário
Até onde podemos seguir sozinhos?
temos muitos, mas seguimos em solidão
quando tudo está escrito, modificado
retornamos ao estado mais fundamental
Não, não é fácil viver afastando o pouco
para se aproximar do muito
desfazer-se, refazer-se
imprimir no tempo a sua marca
não nascemos para sermos só
nem só um nome
nascemos para ser “o nome”
Se te escrevo hoje é porque
aqui dentro está cheio, transborda
do que não me faz só
é o amor que fala
que faz pulsar e é por ele
que sinto esse sentimento impreciso
Não desisto, não desista…

Feliz é aquele que a cada estação
se levanta pronto,
pronto para não estar pronto

Feliz é aquele que encontra no apego
a capacidade do desapego,
que é amor!

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.