Violência Sexual dentro de Casa

“Tenho 33 anos.Tive uma conversa interessante com minha mãe estes dias. Ela estava reclamando mais uma vez do meu gosto pela solidão – o que ela detesta, ao passo que eu leio livros inteiros na minha paz. E comentava de quando iam trabalhar ela e meu pai e eu ficava com uma vizinha (pessoa que amo muito). 
Mas depois que esta vizinha se mudou, eu ficava sozinha. Via TV o dia todo, que paraíso. Sou muito “televisiva” e cinéfila. Acontece que nessa de eu estar sozinha em casa aos 8 anos de idade, um outro vizinho me fez duas visitas.

Em uma delas, deixou um amigo esperando na porta. Não, ele não chegou onde queria porque não quis correr riscos, eu acho. E o amigo dele que ficou esperando na porta só não entrou por eu já estar implorando para que fossem embora. Claro que tais visitas me fizeram procurar psicólogos já na fase adulta. Não é preciso ser barbaramente violentada e morta em seguida pra que haja um dano à pessoa. Sempre pensei que minha normal frieza e capacidade de esconder o que sinto me tivessem feito esconder tudo tão bem até de mim mesma.Mas não… Minha mãe me disse que eu escrevi um bilhete falando de um homem armado de faca vindo me pegar, e isso por volta dos 8 anos. (Essa foi a fase dos pesadelos, eu quase não dormia.) Minha mãe disse que se preocupou, não entendeu o que seria aquilo. Eu dei um sinal no bilhete. Pensei que não sentisse medo dele na época. Mas sentia muito. Recentemente, quando ele foi assassinado, pude vê-lo de outro ângulo: de cima para baixo, pois além de mais alta, eu estava viva. Não se espante, nunca fomos amigos…Mas quando eu mesma já havia encerrado os debates interiores a respeito desta fase, me surge um fato deste porte. Dei sinal de perigo e ninguém viu. Aliás, foi nesta idade minha primeira crise epilética, no fim do ano. Sabe o que minha mãe fez em relação ao tal bilhete? Mostrou a uma vizinha que, sabiamente, concluiu que eu devia me sentir solitária por meus pais precisarem trabalhar o dia todo.

Grande “psicóloga” ela. E todos se deram por satisfeitos. Acontece que a vizinha conselheira era mãe do lobo-mau, mas não sabia que estava criando um animal. Para aplacar minha solidão, fui passar uns dias com uma tia.
Eu ficava finais-de-semana lá. Aí o meu primo mais velho gostou de mim (mas eu era criança, droga). Que sorte a minha, ele tinha de se limitar a bem menos do que gostaria, pois eu quase chorava alto. Minha pergunta é: como estes homens espertos escolheram a vítima certa, mas os que moravam comigo não viram meus sinais de fumaça? Eu vivia tendo pesadelos e ainda escrevi este bilhete e o dei a minha mãe. Eu nasci na família errada? Eu nasci tonta? Porque ainda sofri bulling na escola. Por que essa sequência?
Isso tem uma explicação? Tem causa? Eu mesma não acho. Eu guardo uma página de caderno onde escrevi: Não me toque, também sinto dor. Será que alguém leu? Sempre achei que não, que o segredo fosse tão perfeito que só podia me conformar com isso, mas pedi socorro, ninguém viu e isso me faz sofrer. Eu já havia encerrado este capítulo, mas saber deste bilhete meu me entristece, para dizer o mínimo.
Já agradeço a atenção e resposta”.
Na Infância…
Cara, confesso que seu texto está um pouco confuso, mas entendo o cerne da questão. Sua queixa é clamar por uma ajuda que não veio.
Muito bem, quem 25 anos atrás imaginaria a existência (tão perto) da pedofilia?
No máximo, isso era coisa de gente pervertida que pegava as meninas pobres, sem pai nem mãe; além disso, o casamento com meninas ou relacionamento de meninas com homens mais velhos era corriqueiro, o que causava um certo relaxamento nessa área.
Na mesma linha, nessa época, pouco se falava de psicologia infantil, ainda mais bulling (algo corriqueiro nos dias de hoje) fato que com certeza faria com que seus pais pensassem mais nesse bilhete que escreveu.
Quanto à queixa, entendo seu “trauma”, mas posso lhe garantir, salvo algum detalhe que você não tenha descrito, que seus pais agiram dentro uma normalidade esperada.
O que então reverbera em você?
Diria que é o abandono, esse aliás foi o mote para que a psicologia infantil avançasse tanto, um estudo sobre abandono feito nos EUA e Inglaterra, em muito contribuiu para o avanço do que vemos hoje em termos de cuidado e bom desenvolvimento psicológico.
Sua sensação de abandono, talvez ainda seja algo decisivo para que possa confiar em alguém, assim como você deixou de confiar em seus pais e passou a ter que resolver seus assuntos sozinha, mais ainda, criou um mecanismo de defesa tamanho que essas situações eram vistas, e são até hoje, como grandes trunfos, segredos.
Veja, o que posso te dizer é que sem dúvida você tem fantasmas que precisam ser enterrados, o ideal é que procure um especialista para te ajudar. E claro, você tem o direito de ser feliz, conhecer pessoas, se apaixonar e viver um relacionamento estável, isso é possível e você pode encontrar alguém que lhe dê a sua, ainda não sonhada, segurança!
 
Alexandre Santucci
Envie suas perguntas para  SeR no Divã (sernodiva@gmail.com)
Sigilo: seu nome não será publicado.
Publicado no SeR em  08 de Janeiro de 2011 21:50

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.