Acontece: Bonitinha, Mas Ordinária

No ano em que muitas homenagens acontecem e acontecerão por ocasião do centenário do genial mestre da dramaturgia brasileira, Nelson Rodrigues, teremos nessa semana, e só nessa semana, a oportunidade de acompanhar a montagem realizada pelo núcleo de formação de atores Globe-SP, que tem na direção artística, Ulysses Cruz.
Segundo o Globe-SP essa é uma montagem latina e sensual, uma celebração ao som de boleros, ambientada nos anos 50.
A encenação de Bonitinha, mas Ordinária é de Stela Fischer, que lançou mão do processo ator criador, onde todos se tornaram igualmente donos e autores da experiência artística.

Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende

Narra a história de Edgard, um rapaz pobre de Minas Gerais, que se ressente de sua classe social e acaba sendo procurado por Peixoto, genro “vendido” do milionário Werneck, patrão de Edgard. A ideia é comprá-lo com um belo cheque, em troca ele deve se casar com Maria Cecília, filha de Werneck, de 17 anos, mas que foi vitima de um estupro, ou uma curra por cinco afrodescendentes.
Edgard se vê em um drama de consciência, aceitar a ideia de ficar bem de vida, mas abdicar dos sentimentos que nutre por Ritinha, sua vizinha.
Um enredo de sedução e tentação, classificado por Sábato Magaldi como uma das Tragédias Cariocas, mesmo sendo a única do autor com final feliz. Parece que Nelson está declarando um fio de esperança na humanidade. Deixa escapar nessa obra uma comédia dramática, tão ao gosto do autor, para quem a vida é trágica, mas cheia de graça.
Nessa obra há ainda algumas curiosidades literárias: a frase o mineiro só é solidário no câncer de Otto Lara Resende, é usada de forma recorrente e manifesta a natureza do homem solidário apenas em situações extremadas. A outra é a presença de um dos prediletos de Nelson Rodrigues, Dostoiévski, quando escreve: “Se Deus não existe, tudo é permitido” – um cotidiano de salve-se quem puder, uma luta selvagem para escapar da desgraça. (tão atual).
Encenações – Estreou no teatro em 1962, no Rio de Janeiro, ainda ganhou uma encenação em São Paulo, com direção de Antunes Filho em 1974. No cinema ganhou uma marcante filmagem, levando Lucélia Santos e José Wilker aos papeis principais em 1981.

Bonitinha, Mas Ordinária” no Globe-SP
Ficha Técnica:
Autor: Nelson Rodrigues
Concepção: Stela Fischer
Direção de Atores: Rita Grillo
Realização: GLOBE-SP Centro de Formação do Ator
Elenco: Bruno Almeida, Stela Fischer, Rita Grillo, Lariss Freitas, Leonardo Vaz, Vitor Bassoli, Felipe Salarolli, Cassio Prado, Mariangela Ribeiro, Luciana Zendron, Mariana Barbosa, Jéssica Leme, Laissa Bresciani Anja, Renata Flores, Lucas Lentini e Thais Scarabelli.

Curtíssima Temporada:
dias 03, 04, 05, 06 e 07 de julho.

Serviço:
Globe-SP (Informações: 3097-9933)
Rua Capitão Prudente, 173 – Pinheiros – São Paulo – SP
Data: 30/06, 03, 04, 05, 06 e 07/07
Ingressos: Entrada Franca na troca de 1 kg de alimento não perecível
Horário: dias 03, 04, 05, 06 e 07 de julho às 20h
Gênero: Drama
Duração: 90 minutos
Classificação: 16 anos

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.