O Universo Chamado Queijo !!!

Esse universo dos queijos é tão extenso quanto o dos vinhos. O mais surpreendente é que podemos aprender muito aliando o queijo, não só por sua combinação, mas principalmente por que sua história é tão rica quanto a dos vinhos.

Vale a pena ressaltar que os queijos são afinados, termo também usado para vinho em muitas regiões da França, e praticamente duram uma vida. Os bons queijos, assim como os vinhos tem longevidade, a diferença é que podemos limpar sua casca e ir aproveitando seu miolo.

Vou deixar abaixo uma pequena pesquisa sobre alguns queijos, que inclusive encontramos no Brasil:

Piacintinu di Enna (Itália) – Esse é um queijo feito na cidade de Enna, na Sicília (sul da Itália). Provavelmente herdou o nome numa derivação de Piacentino, que era como se chamava o Granna.
Apresenta-se com uma coloração amarela intensa e grãos de pimenta preta. Feito com leite de ovelha, seu sabor é bem marcado e com toques de açafrão e da pimenta.

Grana Padano Trentigrana (Itália) – Este grana padano indica no nome que feito em Trento, é um D.O.P. (Denominação de Origem Protegida), que garante perante a comunidade européia a qualidade de procedência.
É um queijo de pasta dura, consistência granulosa e cor de palha. Seu sabor é harmônico, direto e longo, com nota herbácea fruto da sua fonte o leite de vaca.

Asiago d’Allevo Vecchio (Itália) – Seu nome Asagio é homônimo ao do altiplano das montanhas no Veneto com o mesmo nome. Feito há muito tempo, desde a idade média, quando já foi chamado de pecorino quando era feito com leite de cabra, mas agora é feito com leite de vaca.
É um queijo que afina por um ano, muito saboroso com aromas de flores e ervas.

Reblochon (França) – O Reblochon é um queijo que traz em sua história cerca de 08 séculos. Seu nome significa re-ordenha, pois no século 13 em Hautee-Savoie, no vale do Thone, os donos de terra cobravam sua taxas com o leite ordenhado, dessa forma as ordenhadeiras deixavam ainda uma parte para terminar. Esse leite re-ordenhado é rico em gordura e faz um creme maravilhoso, próprio para o queijo. Sua região também foi uma das primeiras a ser uma apelação de origem controlada.
Sua massa, de cor amarela marfim, é delicada e seu sabor nos transporta às típicas essências alpinas e aos seus lindos e perfumados pastos.

Marroilles (França) – Preparado com leite de vaca, no Hainaut e em Flandres, é um dos queijos moles de casca lavada e destina-se aqueles que gostam dos queijos de “bouquet” sólido e aromas intensos. Tem o nome da Abadia onde foi criado há um milhar de anos pelos monges de Abadia de Maroilles.

Brillat Savarin (França) – Um Brie especial criado na década de 1930, por Henri Adrouet, pai do especialista em queijos franceses Pierre Adrouet.
Seu nome originou-se do famoso Brillat Savarin. o primeiro gastrônomo escritor, do século XVIII, que entre outras obras, deixou-nos o imperdível “A fisiologia do gosto”
É um queijo de massa mole, não cozida, não prensada, casca de mofo branco, enriquecido com creme de vaca, com “affinage” de uma a duas semanas, de sabor inebriante, que os que conhecem repetem.

Saint Agur (França) – Saint Agur é um queijo azul feito a partir de leite de vaca pasteurizado em Monts du Velay, nas montanhas Auvergne, região central da França.
Desenvolvido em 1988, é um queijo cremoso, afinado por 60 dias o que o vai tornando mais forte e rico. Saboroso, ligeiramente “spicy”, balanceado, lembrando um roquefort mais macio e fino. Um queijo azul não tão agressivo que combina muito bem com muitos vinhos.

Camembert de Normandie (França) – Criado em 1791 por Marie Harel (seguindo um conselho de um Padre da região de Brie), na cidade de Camembert, conta a lenda que o queijo foi batizado quando um dos filhos de Marie, em 1855, presenteou Napoleão III com um pedaço dele, explicando que vinha do pequeno vilarejo de Camembert. O imperador gostou tanto da iguaria que a partir daquele momento a invenção ganhou o nome de sua cidade, ficando mais famosa que ela.
Hoje, o vilarejo de Camembert ostenta um museu dedicado ao seu mais nobre invento e uma estátua em homenagem a Marie.
Em toda a França, somente o Camembert de Normandie possui uma Appelation d’Origine Contrôlée (AOC).
É um queijo de vaca, sua pasta é lisa e cremosa, que varia da cor branca à bege clara. Paladar leve, no entanto acentuado e ligeiramente frutado.

Publicado por Alexandre Santucci

Escrevo, comunico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.